As Finanças contrataram para avaliador do IMI um engenheiro suspeito de fuga ao Fisco, que se encontra em contencioso judicial com a Administração Fiscal por uma alegada dívida de 238 mil euros. O gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu ao CM que, entretanto, este "perito já não está a trabalhar para a Autoridade Tributária e Aduaneira no âmbito do processo de avaliação geral".



O engenheiro em causa é também promotor imobiliário e responde solidariamente, enquanto sócio-gerente da firma Lello e Louçano, pelo valor reclamado pelo Serviço de Finanças de Bragança de imposto relativo a negócios de imóveis, nos anos de 2003 e 2004, alegadamente escriturados por valor inferior ao da venda.

Manuel Gonçalves, conhecido em Bragança por ‘engenheiro Lello’, confirmou à Lusa a existência do processo e adiantou que teve de dar como garantia às Finanças "três prédios" para evitar a execução fiscal. O engenheiro entende, porém, não haver "qualquer incompatibilidade" com as funções de perito até haver uma decisão judicial, garantindo que "formalmente" nada deve. No entanto, as Finanças garantem que o perito foi dispensado das funções.

cm