Metralhadora em punho e gorro passa-montanhas na cabeça, quatro homens lançaram ontem uma vaga de terror em três roubos a caixas ATM com explosões de gás na Grande Lisboa. Agrediram e sequestraram funcionários e clientes – roubando largas dezenas de milhares de euros.

Eram 04h00 quando o gang, de G3 e revólver, chegou ao posto de gasolina da CEPSA, em A-da-Beja, na Amadora, de BMW. Com pés-de-cabra forçaram a porta da loja do posto – e, já no interior, apontaram as armas à empregada e a um distribuidor de jornais. Explodiram a máquina, mas não conseguiram roubar dinheiro. Seguiram então em direcção a Santa Iria da Azóia, Loures. Às 04h20 já estavam à porta do restaurante Mira Tejo.

"Deitaram-me no chão, pisaram-me as costas. Pensei que me iam matar", contou ao CM Elias da Silva, funcionário. Após duas explosões, roubaram as gavetas com milhares de euros.

Às 04h50 invadiram a área de restauração do posto da Galp à saída da ponte Vasco da Gama. Obrigaram clientes e empregados a deitarem-se no chão. Bastou uma explosão para fugiram com as gavetas com cerca de 50 mil euros. Continuam a monte.

"PEDI PARA NÃO ME MATAREM"

"Estava no restaurante quando partiram a porta ao pontapé. Depois das duas explosões, ainda me arrastaram para o exterior. Só pedi para não me matarem", contou ao CM Elias da Silva, de 54 anos, funcionário do estabelecimento em Loures.

cm