O homem que atropelou duas irmãs em Évora e matou uma delas, Ana Bívar, subdirectora do IGESPAR e mulher do deputado do PSD, António Prôa, está acusado pelo Ministério Público (MP) de dois crimes de homicídio qualificado – um consumado e outro tentado.

O suspeito, Guilherme Páscoa, 42 anos, figura conhecida do meio equestre e tauromáquico, arrisca a pena máxima de 25 anos de cadeia. Segundo o CM apurou, o MP arquivou o processo de acusação contra a mulher do homicida, apesar dos indícios de que tenha estado com o arguido no local dos crimes, momentos antes da prática dos mesmos.

Foi na noite de 30 de Maio, às 21h00, que o criador de cavalos em Alenquer atacou as irmãs por lhe terem retirado a procuração que permitia gerir os bens da família. As vítimas pretendiam que o irmão mais novo não continuasse a delapidar o património da família, avaliado em 16 milhões de euros, entre uma casa em Évora e a herdade de Alcácer do Sal. Desde a morte do pai, em 2003, terá derretido um milhão de euros, a maioria no vício do jogo. Mas ao saber de uma reunião entre as irmãs, a mãe e uma nova advogada para revogar a procuração, Guilherme fez uma espera à família dentro do seu Volvo, junto à casa da irmã mais nova, no bairro do Granito, em Évora.

Quando Ana Bívar, de 51 anos, se dirigia acompanhada pela irmã Marta, de 44, para o seu carro, arrancou com a viatura e atropelou-as. Ana ficou inconsciente e foi morta com um golpe no pescoço com um objecto cortante. Marta sofreu ferimentos e foi salva por um vizinho, que enfrentou o homicida, obrigando-o a fugir. Entregou--se no dia seguinte à GNR. Em interrogatório, nunca mostrou arrependimento. Aguarda julgamento em prisão preventiva.

cm