As empresas de diversão querem que o Governo reponha a taxa de IVA nos 6% em vez dos actuais 23%, alegando que o "aumento colossal" do IVA "está a matar o sector".

A acusação é de Luís Paulo Fernandes, da Associação Portuguesas de Empresas de Diversão (APED), que ontem reuniu em protesto várias dezenas de associados frente ao Ministério das Finanças, em Lisboa.

O ruidoso protesto visava alertar as Finanças para as dificuldades do sector.

Segundo o dirigente da APED, a subida do IVA em 17% "acabou com o nosso lucro", disse. "As empresas estão a falir", acrescentou, alertando ainda para os custos com "os combustíveis e a energia". Segundo a APED, existem em Portugal 600 equipamentos certificados, cada um "empregando três a quatro pessoas".

cm