Portugueses nunca estiveram tão pessimistas

O indicador de clima económico e a confiança dos consumidores agravaram-se em Novembro em Portugal, atingindo novos mínimos da série, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O indicador de confiança dos consumidores (calculado através de inquéritos a particulares) “diminuiu significativamente” entre Setembro e Novembro, alcançando os -59,0 pontos.
O indicador de clima económico (calculado através de inquéritos a empresas de vários sectores de actividade), por sua vez, agravou-se para os 5,0 pontos.
Desde Janeiro que a confiança dos consumidores vinha a melhorar todos os meses, mas em Setembro sofreu uma quebra abrupta, em Novembro esta quebra agravou-se mais ainda, estabelecendo um recorde negativo.
Os indicadores de confiança do INE são calculados através de médias móveis de três meses dos saldos de respostas extremas a inquéritos. Um número negativo significa que houve mais respostas pessimistas do que optimistas.
Segundo o INE, “a diminuição do indicador de confiança dos consumidores observada nos últimos três meses resultou dos contributos negativos de todas as componentes, destacando-se as perspectivas sobre a evolução da situação económica do país e da situação financeira do agregado familiar”.
Relativamente ao indicador de clima económico, o instituto destaca que se agravou “de forma expressiva” nos últimos três meses, com uma redução em Novembro dos indicadores de confiança da indústria transformadora, da construção e obras públicas e dos serviços.
O indicador relativo ao comércio, por sua vez, apresentou alguma recuperação.

Fonte: Lusa/SOL