Os islamitas que controlam a cidade de Tombuctu, no noroeste do Mali, aplicaram esta quinta-feira 600 chicotadas a três homens e três mulheres acusados de viverem juntos sem estarem casados, noticia a agência AFP.



"A semana passada, a polícia islamita de Tombuctu deteve três casais não casados. E hoje cada um dos detidos recebeu cem chicotadas numa praça pública Tombuctu", disse um habitante da cidade.

"Os três casais não casados foram fustigados no pequeno mercado de Tombuctu, no centro da cidade. Estava lá pelo menos uma centena de 'espectadores' para os ver. Alguns gritaram, outros não", confirmou um antigo funcionário presente no momento do castigo, justificado com a lei islâmica (charia).

Por outro lado, nas últimas 48 horas, os combatentes islâmicos que controlam a cidade de Tombuctu começaram a apreender, nas habitações privadas, antenas parabólicas que permitem captar as estações televisivas estrangeiras.

"Há agora pelo menos onze antenas parabólicas na esquadra. Só hoje apreenderam seis. Os islamitas dizem que as televisões estrangeiras 'são o diabo'", declarou um jornalista estrangeiro residente na cidade.

Tombuctu está ocupada pela Al-Qaeda do Magrebe Islâmico (AQMI) e por outro grupo islamita, o Ansar Dine, que, em nome da lei islâmica, praticam vários abusos e já destruíram mausoléus de santos muçulmanos venerados pelas populações locais.

O Norte do Mali está ocupado pelo Ansar Dine, movimento composto essencialmente por tuaregues malianos, e combatentes islamitas, sobretudo estrangeiros, da AQMI e do Movimento para a Unicidade e a Guerra Santa na África Ocidental (MUJAO).

Estes grupos aplicam a lei islâmica de forma extremamente rigorosa, com lapidações, amputações, agressões e detenção de mulheres sem véu, incluindo nas suas próprias casas, e cometem numerosos atentados aos direitos do homem, adiantam testemunhas e organizações não-governamentais.

cm