Os trabalhadores que se reformem em 2013 terão um corte de 5,04% na pensão ou terão de trabalhar mais tempo, resultado do aumento do aumento da esperança média de vida, segundo a estimativa provisória avançada pelo Instituto Nacional de Estatística.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2012, a esperança de vida estimada aos 65 anos foi de 18,84 anos.

Esta atualização do valor das novas pensões surge por via da introdução do fator de sustentabilidade na legislação em vigor.

"Este fator expressa a relação entre a esperança média de vida aos 65 anos em 2006 (17,89 anos) com a que foi obtida no ano imediatamente anterior ao do início da pensão", explica a legislação.

Para compensar este corte, os beneficiários da Segurança Social podem optar por ficar mais tempo ao serviço, fazer mais descontos ou reforçar os descontos para regimes complementares.

Assim, de acordo com a atual fórmula de cálculo, um trabalhador que se pretenda reformar em 2013 e tenha uma carreira contributiva entre 15 e 25 anos de serviço poderá optar por trabalhar mais 15 meses de forma a evitar o corte de 5,04% no valor da sua pensão.

No caso de carreiras contributivas mais longas, os meses necessários para compensar o corte são inferiores: 10 meses no caso de carreiras entre os 25 e os 34 anos, oito meses, entre 35 e 39 anos, e 5 meses para carreiras com mais de 40 anos.

O valor divulgado, esta sexta-feira, pelo INE, é ainda provisório e será divulgada uma versão definitiva no próximo ano.


lusa