Os trabalhadores da Carris e da Barraqueiro realizam, no sábado, uma greve de 24 horas, no âmbito das paralisações que cumprem nos dias feriado, em contestação pela redução das compensações pelo trabalho suplementar e dos salários.
A greve dos trabalhadores das empresas de transportes rodoviários do grupo Barraqueiro aos dias feriados iniciou-se a 1 de novembro e pretende lutar por um acordo de empresa que permita uniformizar as condições laborais e eliminar discriminações entre empresas do mesmo grupo.

Os funcionários contestam também a redução das compensações pelo trabalho suplementar e dos salários, que não são atualizados desde o ano 2000.

Esta greve pode afetar os transportes públicos rodoviários nos distritos de Leiria, Lisboa e Santarém.

A paralisação afeta mil trabalhadores da Rodoviária do Tejo e de nove empresas pertencentes à Transportes Barraqueiro: Barraqueiro Oeste, Barraqueiro Alugueres, Santo António Barraqueiro, Boa Viagem, Esevel (assegura a assistência e manutenção da frota), Rodoviária da Estremadura, Frota Azul (carreiras que circulam em Lisboa), Mafrense e Ribatejana.

Na Carris, o pré-aviso de greve dos trabalhadores às horas extraordinárias, aos dias de descanso semanal e aos feriados foi emitido conjuntamente pelo Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM), Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) e Associação Sindical do Pessoal de Tráfego da Carris (ASPTC).