Ex-director do FMI era acusado de violação
DSK indemniza camareira em 4,64 milhões de euros


O ex-director do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn chegou a acordo com a empregada do hotel de Nova Iorque que o acusou de violação para terminar com o processo, revelou o diário ‘The New York Times’.

Os advogados de DSK e a empregada, Nafissatou Diallo, irão comparecer na próxima semana em tribunal em Nova Iorque perante o juiz Douglas E. McKeon de forma a resolverem a disputa, destaca o jornal citando fontes próximas ao processo.

O diário francês ‘Le Monde' revela que Strauss-Kahn irá pagar uma verba de 4,64 milhões de euros à ex-empregada do hotel Sofitel.

O mediático caso contra DSK, como é conhecido na imprensa o político francês, começou com a sua detenção dentro de um avião no aeroporto John F. Kennedy de Nova Iorque, quando se preparava para viajar para Paris e depois de a polícia ter recebido uma denúncia por ataque sexual de Diallo.

C.da manha