Banco Alimentar faz nova recolha este fim-de-semana

A 42.ª campanha do Banco Alimentar Contra a Fome arranca hoje, à porta dos supermercados, e a presidente da instituição, Isabel Jonet, espera vir a recolher mais de 3.000 toneladas de alimentos, como afirmou à agência Lusa.A par da recolha à porta dos supermercados, que vai realizar-se durante o fim de semana, o Banco Alimentar disponibiliza ainda, até 09 de Dezembro, a possibilidade de doar alimentos online em www.alimentestaideia.net, sem necessidade de deslocação aos estabelecimentos comerciais, ou através de vales de alimentos disponíveis nas lojas.
Isabel Jonet adiantou à agência Lusa que o Banco Alimentar Contra a Fome (BACF) apoia diariamente 2.373 instituições de solidariedade social, em todo o país.
São estas instituições que depois repartem os produtos por 373.024 pessoas, através de cabazes de alimentos ou de refeições confeccionadas, servidas nas creches, nos "ateliers" de tempos livres e nos lares de idosos.
Estes números significam que cerca de três por cento da população portuguesa tem, no seu prato, todos os dias, um alimento proveniente de um dos vinte bancos alimentares contra a fome, como sublinha a presidente da instituição.
Este ano, o BACF teve um número recorde de pessoas inscritas antecipadamente como voluntárias para esta campanha, atingindo as 38 mil.
Sobre as expectativas, Isabel Jonet afirmou que, “inevitavelmente, a situação de abrandamento económico pode reflectir-se na quantidade que é doada por cada pessoa”, mas disse estar convicta de que haverá mais pessoas a doar.
Nos últimos quatro anos, o Banco Alimentar aumentou em cerca de 50 por cento a ajuda prestada às instituições de solidariedade, o que permitiu abranger mais 128 mil pessoas.
Nos últimos meses, o BACF registou “um acréscimo dos pedidos de apoio, tanto por parte das instituições, como pedidos directos ao Banco Alimentar”, disse Isabel Jonet à agência Lusa.
Esta situação resulta de “haver mais desemprego e, sobretudo, de haver mais famílias que estão numa situação económica muito difícil”, procurando ajuda nos bancos alimentares para serem encaminhadas.
Dados do Banco Alimentar adiantam que o número de instituições apoiadas cresceu de 1.618, em 2008, para 2073, este ano, um aumento de 46,6%.
Também aumentou em 52% o número de pessoas assistidas pelos bancos alimentares, através das instituições de solidariedade social, passando de 245.269, em 2008, para 373.024, em 2012.
Em 2011, foram recolhidos cerca de 30.251 toneladas de alimentos, com o valor estimado de 42,3 milhões de euros, num movimento médio de 121 toneladas por dia útil.
Dados do Instituto Nacional de Estatística indicam que dois milhões de portugueses são pobres.

Fonte: Lusa/SOL