Oeiras tem 163 jardineiros para seis hectares

Câmara de Oeiras diz que técnicos não são suficientes e recorre a privados, por 2,7 milhões por ano. Trabalhadores criticamOs 163 jardineiros da Câmara de Oeiras têm a seu cargo pouco mais de seis hectares de jardins, ocupando-se sobretudo de operações de podas e desmatação.
Tudo por que a autarquia concessiona a privados a manutenção dos espaços verdes.
Helder Sá, da Comissão de Trabalhadores da Câmara de Oeiras fala em «subaproveitamento da mão-de-obra municipal». A autarquia contesta, explicando que a área verde do concelho tem crescido e que só com o recurso a privados é possível manter os cerca de 264 hectares de jardins.
Esta é uma guerra antiga, que se arrasta desde que a autarquia começou, em 2001, a concessionar a manutenção destes espaços. Na semana passada, a polémica voltou devido à aprovação, em sessão de câmara, da adjudicação que resultou de um concurso público para uma parcela dos jardins de Oeiras.
Em tempos de austeridade, Helder Sá vê na «externalização de serviços uma das ‘gorduras’ que pode ser cortada e não é, vá-se lá saber porquê». E aponta as Normas Internacionais de Conservação para Jardins Botânicos para sustentar a sua posição. Segundo estas regras, num jardim botânico, o ideal é que haja um jardineiro para cada hectare cultivado. «Ora, um jardim botânico requer uma maior permanência de jardineiros no local, ao contrário dos espaços verdes de Oeiras, com excepção dos jardins históricos (Quinta Real de Caxias e Palácio Marquês de Pombal) e patrimoniais (como o Parque dos Poetas» – argumenta aquele o membro da Comissão de Trabalhadores. «O rácio de um jardineiro por hectare cobriria, pelo menos 160 hectares, sendo os restantes 80 hectares mantidos em regime de outsourcing», conclui.
A Câmara liderada por Isaltino Morais recorda que os espaços verdes no concelho têm crescido, ao mesmo tempo que o quadro de pessoal da autarquia tem sido reduzido. Ao SOL, fonte oficial da autarquia explica que, «nem que os horários de trabalho fossem susceptíveis de prolongamento com horas extraordinárias (o que nos termos legais não é possível), não seria exequível garantir a qualidade dos espaços verdes do concelho só com os nossos jardineiros».
A mesma fonte diz que actualmente a Câmara gasta 2,7 milhões de euros com os contratos de concessão, mas assegura que há uma preocupação com a poupança: «As novas propostas prevêem manter o encargo actual, reduzindo a área a intervencionar e reduzindo o valor do m2/mês do preço-base em 1 cêntimo por m2/mês, sobre os valores médios actuais».

Fonte: SOL