Os duelos mais difíceis nas Autárquicas de Outubro de 2013 serão nos distritos de Lisboa e do Porto, mas o País vai mudar de rosto no que toca a presidentes de câmara: cerca de 150 autarcas (de um total de 308) saem de cena, ou tentam a sua sorte noutros concelhos, por limite de mandatos (três consecutivos).

Filipe Menezes que deixa Vila Nova de Gaia e procura a vitória no Porto, câmara liderada pelo seu arqui-rival Rui Rio. Já o PS apostou em Manuel Pizarro, o ex-secretário de Estado da Saúde, que procura recuperar a Invicta, perdida em 2002.

Em Lisboa, António Costa, o autarca socialista, ainda não sabe quem o vai defrontar do lado do PSD ou do CDS. Fernando Seara é o nome desejado na direcção laranja, mas ainda não deu o sim. Falta a reunião decisiva com o líder do partido, Passos Coelho.

Seara atinge o limite de mandatos em Sintra e tem sido apontado como forte hipótese para a capital, mas sem coligação. Sintra é, aliás, sinónimo de dores de cabeça para o PSD: o vice-presidente da câmara avançou contra a vontade do partido e Pedro Pinto, vice-presidente laranja, foi o escolhido. A divisão instalou-se.

Mais a Sul, Faro é a capital de distrito com mais incógnitas, tal como Setúbal. Ontem, o PS anunciou Joaquim Barbosa, provedor da Santa Casa para Almada.

cm