A PJ de Aveiro pediu que fosse feita uma reconstrução facial do cadáver encontrado a 17 de Novembro, depois de um mês enterrado num areal em Murtosa.

O homem – que teria entre 50 e 60 anos – ainda não foi reclamado por familiares ou conhecidos e a PJ aposta agora na tecnologia para chegar à identificação da vítima. Os resultados deverão indicar a aparência aproximada do homem em vida, já que, quando foi encontrado, estava já em avançado estado de decomposição.

Tudo indica que a morte tenha sido extremamente violenta: o cadáver tinha sinais de estrangulamento e lesões muito graves na cabeça, provavelmente provocadas por um disparo. A vítima tinha calvície acentuada, media cerca de 1,60 m, era forte sem ser obeso e tinha uma falha, à frente, na dentição.

Vestia camisa xadrez de cor azul, com traçado bege, debaixo de pulôver em malha de cor castanha, e calças tipo sarja com bolsos laterais de cor cinza-escura ou preta. Usava sapatilhas.

cm