Uma sobrinha, já adulta, de António Pereira, pai do antigo guarda-redes do Sporting, Nélson, disse no tribunal de Torres Vedras ter sofrido abusos sexuais às mãos do tio quando ainda era criança.

Os crimes continuaram até à adolescência. A mulher, actualmente com cerca de 40 anos, revelou também nunca ter feito queixa às autoridades. No entanto, neste caso, os crimes já prescreveram.

Recorde-se que na primeira sessão de julgamento no tribunal de Torres Vedras, António Pereira, 66 anos, negou ter abusado sexualmente de cinco meninas, entre os três e os dez anos, razão pela qual está a ser julgado. "Nem nos meus netos eu pego ao colo", disse ao colectivo de juízes, no passado dia 5 de Novembro. António Pereira está a ser julgado por oito crimes – cinco de abuso sexual, um de violação, um de rapto e outro de coacção. Duas das vítimas são suas sobrinhas-netas.

Fonte do processo disse ao CM que a revelação da sobrinha não foi uma surpresa, uma vez que em Outeiro de Cabeça, onde vive António Pereira sempre se comentou que o homem abusou de vários familiares quando eram crianças. O silêncio foi, também no passado, comprado com presentes.

A maior parte dos abusos de que está a ser agora acusado terão ocorrido na carrinha escolar da Junta de Freguesia, mas, uma vez, "o arguido agarrou com força uma das vítimas para o seu veículo e despiu-a, retirando as calças e cuecas que vestia". O arguido está em prisão domiciliária.

EX-FUTEBOLISTA RECUSA FALAR DE PEDOFILIA

Nélson foi uma das testemunhas que defendeu o pai. No entanto, há duas semanas, quando prestou declarações no tribunal de Torres Vedras recusou comentar os abusos sexuais de que António Pereira é acusado, por já não viver em casa à data dos factos – entre 2005 e 2010. Defendeu o progenitor, dizendo que sempre foi "bom pai" e referiu que soube da maior parte dos pormenores do processo através da comunicação social. Os irmãos também testemunharam e disseram que nunca se aperceberam dos abusos cometidos pelo pai.

cm