NATO avisa Síria: Nada de armas químicas

Hillary Clinton e Anders Fogh Rasmussen em Bruxelas
Depois de Hillary Clinton e Barack Obama, foi a vez da NATO de reforçar o aviso a Bashar al-Assad: não usar armas químicas contra o povo sírio.
O gesto seria considerado «completamente inaceitável» pela comunidade internacional, e teria consequências. O aviso foi feito pelo próprio secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, durante um encontro de ministros dos Negócios Estrangeiros dos 28 países membros daquela organização internacional, em Bruxelas. Encontro onde se espera a aprovação do envio de mísseis para a fronteira entre a Turquia e a Síria, como resposta ao pedido turco para se proteger contra eventuais ataques vindos de Damasco.

Armas químicas: O que são e quando foram usadas

«O eventual uso de armas químicas será completamente inaceitável por toda a comunidade internacional», disse o representante da NATO na chegada à reunião, acrescentando que haverá uma «reacção imediata» caso haja algum indício de que o governo sírio tenha recorrido a essas armas.
‘O mundo está a ver’
Ontem, também o presidente norte-americano tinha alertado Bashar al-Assad de que teria de enfrentar «consequências» se usasse armamento químico contra o seu povo, e seria «responsabilizado».
«O mundo está a ver. O uso de armas químicas será totalmente inaceitável», disse Barack Obama num discurso em Washington.
As denúncias dos preparativos para eventuais ataques com este tipo de armamento surgiram por parte de responsáveis norte-americanos que falaram sob anonimato em declarações à Associated Press.
Um oficial do exército sírio já adiantou, no entanto, que o país «nunca, em nenhuma circunstância», usaria esse tipo de armas, «se é que elas existem».

Fonte: SOL