Rui Reis, Investigador da Universidade do Minho, sobre bolsa de 2,35 milhões do Conselho Europeu de Investigação.

Correio da Manhã - Acaba de receber uma das maiores e mais prestigiadas bolsas de sempre atribuídas a um cientista português. Como vê esta distinção?

Rui Reis - É um momento único conseguir algo tão difícil e competitivo, e que só está ao alcance dos melhores cientistas da Europa. Consegui-lo aos 45 anos e sempre a trabalhar em Portugal nunca tendo sido reconhecido pelos poderes científicos instalados e pelas gerações que me antecederam reforça certamente a importância da atribuição desta bolsa.

- Está a dizer que o seu trabalho não é reconhecido em Portugal?

- Por cá ainda somos muito maltratados [risos]. Somos inferiorizados em relação a outros projectos. Eu, por exemplo, que sou o investigador português mais citado, com mais publicações científicas, não faço parte de um painel de bolsas da Fundação para a Ciência e Tecnologia [FCT], não faço parte do painel científico para a FCT. Por coisas deste género houve pessoas que foram condecoradas pelo Presidente da República. O Minho não tem qualquer representante na Fundação para a Ciência e Tecnologia.

- Como vai ser aplicada a verba conseguida com esta bolsa?

- A bolsa, atribuída ao projecto ComplexiTE, permitirá nos próximos cinco anos desenvolver trabalho de investigação na engenharia e regeneração de tecidos humanos, numa abordagem única e multidisciplinar que combina metodologias avançadas com tecnologias inovadoras, de modo a criar estruturas complexas de biomateriais e células estaminais.

- Qual o objectivo?

- O objectivo principal será desenvolver investigação de topo que permita produzir e melhorar novas estratégias de engenharia de tecidos relevantes a nível industrial e clínico.

cm