O Ministério Público pediu ontem prisão para o homem de 22 anos que no ano passado torturou o enteado, inclusive com um cigarro. O bebé tinha apenas um ano e meio quando as agressões aconteceram – faltavam três dias para o Natal.

A acusação sustenta que Marco Neves, o arguido, partiu o braço esquerdo à criança, pegou num cigarro e queimou-lhe os olhos, os lábios e os pés. Ainda pontapeou o bebé nas pernas, nas costas e também nos órgãos genitais. Estas lesões fizeram com que o bebé ficasse 113 dias doente.

O agressor está a ser julgado no Campus da Justiça. Marco estava desempregado na altura e vivia à custa da sua companheira, que trabalhava num restaurante. "Eu ficava com o menino e ele nunca se queixou de nada", disse o arguido na primeira sessão.

A leitura do acórdão está marcada para a próxima segunda-feira.

cm