No dia em que completou 25 anos, Vítor Hugo Santos estava a ser julgado, com mais três cúmplices, no Tribunal de Estarreja, por roubo e tráfico de droga.

O que não sabia é que à porta da sala de audiências a GNR esperava pela interrupção do julgamento para o prender, de forma a cumprir uma pena de três anos e oito meses de cadeia no âmbito de um outro processo – também de tráfico – já transitado em julgado.

Ontem, cerca das 12h30, assim que Vítor Hugo saiu, dois militares da GNR de Estarreja colocaram-lhe as algemas e levaram-no para o posto.

Depois de almoço, regressou ao julgamento, mas, à tarde, foi levado com o cúmplice Fábio Mendes – o único em prisão preventiva no caso agora em julgamento – para o Estabelecimento Prisional de Aveiro. Vítor Hugo, Fábio Mendes e Edi Silva foram detidos no passado dia 31 de Janeiro depois de ameaçarem e roubarem um amigo que atraíram para um jantar. O caso transitou para a Polícia Judiciária de Aveiro, mas como os três homens já estavam a ser investigados pela GNR por trá-fico, foi delineada uma operação conjunta para nenhum dos processos ser prejudicado.

Em tribunal, os três homens negaram qualquer ligação ao tráfico de droga.

cm