A proposta de lei de segurança privada que o Governo aprovou ontem em Conselho de Ministros passa a tornar obrigatória a instalação de videovigilância a todos os estabelecimentos comerciais do ramo da ourivesaria, de revenda de combustíveis, venda de arte e farmácias.

Todos os novos negócios que abrirem portas nestes ramos são obrigados a estar dotados destes equipamentos, devendo os já existentes dotar-se de videovigilância no espaço de cinco anos.

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, anunciou ontem que será reforçado o controlo aos empresários da segurança privada, sendo agravadas as sanções.

As mudanças na lei foram propostas ao Governo pelo Conselho Superior de Segurança Privada.

cm