O número de professores desempregados inscritos nos centros de emprego em Outubro era superior a 20 mil, mas os sindicatos apontam para mais de 30 mil contratados ainda sem colocação, dos quais mais de 1500 são do ensino artístico.

De acordo com dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), o número de docentes inscritos no mês de Outubro era de 20.135, contra 13.403 no período homólogo de 2011.

Já a Federação Nacional de Professores (Fenprof), estimava no final do mês de Novembro em 33.200 o número de professores que se candidataram no ano lectivo de 2012/2013 a um contrato e até à data ainda não o tinham conseguido.

Os números recolhidos pela Fenprof apontam para uma redução do emprego para professores contratados a uma média de cerca de 10 mil vagas por ano: em Novembro tinham conseguido um contrato cerca de 17 mil docentes, no período homólogo de 2011 havia já 27 mil professores contratados e em 2010 os contratados eram cerca de 35 mil.

De acordo com o IEFP, o desemprego entre os docentes, contabilizando todos os graus de ensino, cresceu quase 70%, passando dos 13.403 inscritos em Outubro de 2011 para os 20.135 em Outubro deste ano.

Ainda segundo o IEFP, cerca de 60% dos professores desempregados este ano são mulheres, à semelhança do que já acontecia em 2011, e a média de idades dos docentes inscritos nos centros aumento em 2012, comparando com o ano anterior, de 34,5 para 35,5 anos.

A maior fatia de desempregados são docentes do ensino básico e secundário, concentrados maioritariamente nas regiões Norte e de Lisboa e Vale do Tejo. No entanto, em 2012 a região do Alentejo destacou-se por praticamente ter duplicado o número de docentes sem emprego, com 1011 inscritos em Outubro, contra 582 em Outubro de 2011.

Quanto ao ensino artístico, que este ano sofreu alterações com a redução do número de professores atribuídos para o ensino da disciplina de Educação Visual e Tecnológica (EVT) a ser reduzido de dois para um professor por turma, a Fenprof calcula que mais de 1500 não tenha conseguido colocação este ano, 1440 dos quais para EVT.

João Louceiro, da Fenprof, disse à Lusa que até ao momento só os professores contratados perderam o emprego, ainda que alguns deles já tenham um currículo de 10 ou 15 anos de experiência, e que no caso dos professores do ensino artístico, "a maioria foi afastada das escolas", sendo "residual o número dos que conseguiram contrato", que ronda os 250.

O sindicalista disse ainda que a estrutura sindical não tem contabilizado o número de professores que desistiram da carreira docente pela necessidade de encontrar um emprego que assegurasse rendimentos, mas adiantou que ele próprio conhece casos de "colegas que estão a trabalhar em outras actividades, em centros de comerciais ou como caixas de supermercado", ou até de quem tenha pedido o subsídio na totalidade para montar um negócio próprio.

cm