Comerciantes, empregados de restaurantes, professores, assistentes sociais, construtores civis são algumas das profissões de maior risco em Portugal e é nessas áreas que se tem verificado um maior crescimento do número de desempregados.

Uma análise ao mercado de trabalho realizada este ano pelo Observatório do Emprego e Formação Profissional mostra que, ao todo, até Outubro já existiam mais de 870 mil desempregados em Portugal registados pelo Instituto Nacional de Estatísticas, o que representa a mais alta taxa de desemprego de sempre, estando a situação a agravar-se em quase todos os sectores de actividade.

O número representa uma subida do desemprego de 26,3% relativamente a Setembro de 2011 e é particularmente pesado entre aqueles que trabalham no chamado sector dos serviços, que engloba profissões como professores, médicos, vendedores, advogados, e todo o tipo de comércio.

Mais de metade dos portugueses à procura de novo emprego provém deste tipo de profissões. Em Setembro passado (últimos dados disponibilizados pelo INE) o crescimento do desemprego entre estas profissões chegava perto dos 30% relativamente ao mesmo período do ano passado.

Uma análise do Observatório do Emprego e Formação Profissional publicada em Outubro (embora com dados relativos a 2011) mostra que no sector dos serviços, o maior número de desempregados é o do comércio, (28,4% do total deste segmento de desempregados) seguido pelo do alojamento e restauração (17,6%) e depois pelos da educação, das actividades administrativas e serviços de apoio (7,6%) e das actividades de saúde humana e apoio social (7%).

O observatório conclui ainda que quase 60% dos desempregados à procura de novo emprego são oriundos do sector de serviços, mas que mais de um terço dos desempregados (37,8%) pertence ao sector industrial. Na agricultura, o número de desempregados representa apenas 2,3%.

Na indústria, os trabalhos relacionados com a construção são os que apresentam maior percentagem de desempregados (41,6%), mas a falta de trabalho afecta também os empregos das áreas de energia e água

O aumento do desemprego é sentido particularmente entre os mais jovens -- existem cerca de 56 mil com idades entre os 25 e os 34 anos -, contabilizando-se nesta faixa etária aqueles que estão à procura do primeiro emprego. Mas a situação entre os portugueses com mais de 45 anos torna-se particularmente grave, já que as perspectivas de encontrar novo posto de trabalho são escassas e mudar de profissão é, nesta idade, mais difícil.

cm