"O juiz agrediu-me com murros e pontapés, na cara, no peito e no nariz, até sangrar". Vítor Hugo Ribeiro descreveu, ontem ao colectivo de desembargadores do Tribunal da Relação do Porto, a forma como terá sido agredido pelo magistrado Alberto Pinho, presidente do Círculo Judicial de Oliveira de Azeméis, em Março de 2010, após um acidente, em Gião, Santa Maria da Feira.

O assistente Vítor Hugo referiu que Alberto Pinho também agrediu a sua namorada. "Ele fez um gesto bruto e disse: ‘se quer chamar a GNR chame’ e deu-lhe um murro na cara". Depois, afirmou que chegaram ainda o filho do juiz, António Pinho e Manuel Alves, também arguidos no caso. "Deram-me patadas nas costas e eu caí no chão. Mas não pararam de me bater. Fugi e correram atrás de mim", disse. O juiz é acusado de ofensas à integridade física.

cm