Maria, nome fictício, nunca estranhou a presença do vizinho e amigo dos seus pais em casa, em Guimarães. Porém, a vida da menina mudou em 2010, quando tinha apenas 13 anos: o homem que sempre fora próximo da sua família abordou-a, durante as festas de Santo Amaro, e acabou por abusar dela. Durante cinco meses, o predador, de 38 anos, usou a menor para satisfazer os seus impulsos. Começa a ser julgado no próximo mês, por 13 crimes de abuso sexual de criança.

O abusador aproveitou a confiança que tinha com os amigos para estar a sós com a menina. Há quase três anos, na festa popular, o homem agarrou o braço da menor e levou-a ao seu carro. Deu-lhe beijos e disse que a achava bonita, mas Maria conseguiu fugir.

O predador, ainda assim, não desistiu: perseguiu a menina e levou-a para uma casa abandonada e para um prédio em construção. Em cima da cama e até dentro de um armário, chegou a consumar o acto sexual.

Maria vivia aterrorizada por ser ameaçada pelo pedófilo, caso o denunciasse. Para a subornar, carregava o telemóvel da menina – que fora oferecido pela própria mulher do pedófilo – e ligava-lhe constantemente para marcarem encontros.

cm