As corporações de bombeiros vão receber mais 1,2 milhões de euros em 2013 pelo transporte de doentes para as Urgências, na sequência de uma actualização da tabela de preços paga pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Jaime Soares, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, afirma ao CM que, apesar da alteração do preçário, os bombeiros "estão a financiar" o INEM porque, adianta, sai mais barato para o Instituto Nacional de Emergência Médica que sejam os bombeiros a fazer o transporte de emergência pré-hospitalar.

O INEM paga aos bombeiros um subsídio de valor fixo por serviço prestado destinado à compra de consumíveis (álcool, compressas, etc.), que passou a ser de dois euros.

Cada vez que os Centros de Orientação de Doentes Urgentes do INEM accionam uma ambulância dos bombeiros pagam-lhes um valor, de acordo com a tabela que tem em consideração a formação dos tripulantes das ambulâncias e os quilómetros percorridos até à unidade de saúde.

O subsídio trimestral fixo também tem um aumento de 400 euros, que se destina a comparticipar as despesas.

cm