Intoxicações com medicamentos, produtos químicos, detergentes, drogas ou outras substâncias levaram às Urgências hospitalares, em 2011, um total de 8484 crianças, uma média diária de 23 menores em risco devido à ingestão desses produtos, segundo dados do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

De acordo com o INEM, a grande maioria (69%) dos casos de intoxicação com crianças ocorrem entre o primeiro ano de vida e os 4 anos.

Foi o que aconteceu a um bebé que engoliu um comprimido para o coração quando estava no colo da avó. A senhora, cardíaca, tinha dois comprimidos na caixinha dos medicamentos e, enquanto tomava um comprimido, o neto pegou no outro e ingeriu-o. A criança passou a noite no hospital, onde lhe fizeram uma lavagem ao estômago. Recuperou da intoxicação.

Helena Sacadura Botte, da Associação Portuguesa de Segurança Infantil, considera ao CM serem muito frequentes os acidentes com medicamentos, por exemplo com o paracetamol, porque os pais não fecham convenientemente os frascos dos remédios, apesar de terem tampa de segurança, ou deixam-nos numa gaveta acessível à criança.

As intoxicações com pílulas contraceptivas também são frequentes, porque as "mães deixam a mala aberta". Esse problema provocou 162 acidentes no ano passado.

"Os pais não devem guardar os produtos tóxicos debaixo do lava-loiça ou os medicamentos na gaveta aberta. Se estiver fechado à chave ou guardado num local alto evitam-se acidentes", refere a responsável em declarações ao CM.

cm