BIC e BPN já são um só banco

O BIC e o BPN já são um único banco, depois da concretização da fusão jurídica nesta sexta-feira, disse à Lusa o presidente do BIC, Mira Amaral, adiantando que perdeu clientes pela manutenção da marca BPN até agora.
“Até sexta-feira continuava a haver dois bancos juridicamente, o Banco BIC português e o BPN. Só a partir de sexta-feira é que podemos suprimir o estacionário [marca], os impressos, os livros de cheques e os cartões BPN”, disse à Lusa o presidente do BIC Portugal, dando conta que a fusão jurídica entre o BPN e o BIC aconteceu no final da semana passada.
O BIC Portugal concretizou em Março último a compra do Banco Português de Negócios (BPN) por 40 milhões de euros. Apesar de ter começado de imediato a alterar a imagem das agências e centros de empresa, do ponto de vista jurídico continuaram a existir dois bancos.
A fusão apenas aconteceu sexta-feira, mais de oito meses depois da aquisição.
Uma demora no processo que levou à perda de alguns clientes, considerou Mira Amaral: “Isto causava até dificuldades e constrangimentos na actividade comercial porque havia clientes que chegavam entusiasmados e depois se recusavam a abrir conta com impressos BPN”.
Apesar da fusão jurídica, o antigo ministro de Cavaco Silva disse que ainda falta fazer a integração dos sistemas de informação dos dois bancos, para que todo o processo de fusão esteja concluído, o que espera que aconteça até Março do próximo ano.
O BIC Portugal (que comprou o BPN) tem como principais accionistas o empresário português Américo Amorim e a empresária angolana Isabel dos Santos - filha do presidente de Angola, José Eduardo dos Santos -, ambos com 25%. Fernando Teles (presidente não executivo do BIC Portugal e executivo do BIC Angola) tem uma participação de 20%. Esta é a mesma estrutura accionista do seu "irmão" BIC Angola.

Fonte: Lusa/SOL