O grupo do sheik Al Jaber, o milionário saudita proprietário dos hotéis Penina, em Portimão, e D. Filipa, em Vale do Lobo, garante que "não haverá despedimentos "nestas duas unidades hoteleiras, apesar de existir o risco de insolvência das sociedades que as gerem. O grupo requereu um Processo Especial de Revitalização (PER) para o Penina, que suspendeu um pedido de insolvência que tinha sido feito pelo maior credor (um fundo que ficou com os créditos bancários, no valor de 70 milhões de euros).

O administrador de insolvência vai efectuar um relatório sobre o PER , para remeter ao tribunal, até dia 21 deste mês. "O fundo votou contra o plano, mas isso não significa que o administrador aceite essa decisão", disse ao CM fonte do grupo JJW Hotels & Resort, detido pelo sheik Al Jaber.

A mesma fonte frisou, aliás, que existe o objectivo de, até ao dia 20, "resolver o assunto", através do pagamento dos 70 milhões de euros ao fundo, no pressuposto que este retirará o pedido de insolvência. "Serão pagos em dinheiro, sem recorrer à banca", assegurou.

Tiago Jacinto, do Sindicato de Hotelaria do Algarve, garantiu ao CM que os trabalhadores das unidades do sheik "estão a funcionar com normalidade e os trabalhadores têm os salários em dia". E "não existem dívidas à Segurança Social nem ao Fisco", garantiu fonte do grupo.

MAIS UNIDADES FECHAM PORTAS NO INVERNO

O sector turístico algarvio está a ser duramente atingido pela crise. "Estamos a verificar que, este ano, mais unidades fecharam as portas durante a época baixa do que era habitual", afirma Tiago Jacinto, coordenador do Sindicato de Hotelaria do Algarve, adiantando que se trata de "uma situação que gera grande preocupação". Além disso, o dirigente sindical destaca que há casos "de ordenados em atraso, nomeadamente na zona da Albufeira". Tiago Jacinto realça que os dados oficiais indicam que as unidades turísticas da região que estão a ser mais afectadas pela conjuntura económica são as de "duas e três estrelas".

cm