Maria Filomena Teixeira estava numa caravana, em Silves, quando o tornado de 16 de Novembro a fez ‘voar’ vários metros dentro da viatura. Esteve mais de um mês hospitalizada e foi submetida a várias cirurgias, mas não resistiu. Morreu no Hospital do Barlavento, em Portimão.

O tornado danificou habitações, virou automóveis e autocaravanas e derrubou árvores em Carvoeiro, Lagoa e Silves. Fez 13 feridos, três dos quais graves. Uma das vítimas foi Maria Filomena, de 50 anos que, ao que o CM apurou, sofreu várias lesões internas na zona abdominal. Esteve internada na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital de Faro, onde foi sujeita a várias cirurgias, entre elas a remoção do baço. Antes do Natal foi transferida para o Hospital do Barlavento, em Portimão, onde "estava a recuperar de forma favorável", segundo fonte hospitalar. Mas o estado clínico complicou-se na madrugada de anteontem, e Maria Filomena não resistiu a uma paragem cardiorrespiratória.

"Foi uma surpresa. O presidente da câmara, Rogério Pinto, visitou a senhora no dia 3 e ela estava consciente", lamentou ao CM fonte da autarquia de Silves. O funeral realizou-se ontem em Portimão.

cm