Mesmo que o corte de quatro mil milhões seja bem sucedido, o Executivo continua com uma ‘bomba-relógio’ para desarmar em 2015.

No final de 2014, depois do corte de quatro mil milhões de euros na despesa do Estado, o Governo terá nas mãos outra ‘bomba-relógio' para desactivar: os cortes temporários que foram implementados ao longo dos últimos anos e que terminam com o programa de ajustamento. Se nada for feito até lá, são mais de três mil milhões de euros que o Executivo terá de acomodar nas contas orçamentais.

"O ajustamento na despesa não é apenas de quatro mil milhões de euros. Tem de ser colocada em cima da mesa uma solução para medidas que foram tomadas ao longo do tempo e que são temporárias", avisou o secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino no programa "Prós e Contras", da RTP.

de