Finanças esclarecem agora que suplementos remuneratórios também levam corte de 5%.

Os gestores hospitalares e das restantes instituições do Ministério da Saúde vão ter de devolver parte da remuneração que ganharam entre Junho de 2010 e Abril de 2012. Em causa estão suplementos remuneratórios, como por exemplo ajudas de custo e despesas de representação, que durante este período não foram alvo do corte de 5% sobre os salários dos gestores que começou a ser aplicado no segundo semestre de 2010.

O corte de 5% está previsto no PEC III, apresentado ainda por José Sócrates em 2010, e afecta gestores públicos, membros dos conselhos directivos ou de administração dos institutos públicos, incluindo os de regime especial.

de