Os ladrões de metal já provocaram prejuízos na ordem dos 250 mil euros em materiais da Câmara de Lagoa, no espaço de apenas um ano e meio.

"Além daquilo que é furtado, há muito equipamento que acaba por ficar danificado", refere José Inácio, presidente da autarquia, que se mostra preocupado com a situação.

Só em depósitos e captações de água municipais foram contabilizados três furtos. O último aconteceu na semana passada, tendo provocado um prejuízo estimado em 40 mil euros.

Neste caso, o alvo foi o principal depósito de água da cidade, o que colocou mesmo em risco o abastecimento à população. Os ladrões cortaram a ve- dação que protege o depósito e depois destruíram ainda o posto de transformação e o quadro elétrico com o objetivo de furtar metal.

Além das infraestruturas de abastecimento público de água, a autarquia já teve de substituir um grande número de tampas de saneamento, grelhas de sumidouros e sinais de trânsito que desapareceram.

Mas o problema afeta também outros concelhos da região, como é o caso de Albufeira. Neste município, a freguesia de Paderne tem sido das mais fustigadas pelos furtos. No final do mês passado, estes chegaram mesmo a deixar muitas pessoas sem telefone, depois de serem roubados cabos da PT. Uma situação que já é recorrente: só este ano, já foram registados dois casos do mesmo género.

As captações de água da Câmara de Albufeira também não escapam. Dos sete furos existentes na zona de Paderne, que funcionam como reserva em caso de seca ou falha no sistema multimunicipal, seis estão inoperacionais devido ao roubo de bombas de água e postos de transformação.

cm