Um mês após ter sido lançada, a iniciativa da Deco para baixar a fatura de eletricidade conta com mais de 360 mil pessoas já registadas, o que representa uma média de 12 mil inscrições por dia.

A campanha com o mote "juntos pagamos menos" pretende que os clientes de eletricidade adiram a esta iniciativa até ao final de abril, altura em que a Deco fará um leilão pelo preço mais barato junto dos operadores de mercado como a EDP, Galp, Endesa ou Iberdrola, entre outros.

Em declarações à agência Lusa, a responsável pelas relações institucionais da Deco, Rita Rodrigues, disse que a expectativa era de "uma elevada adesão uma vez tratar-se de uma iniciativa inovadora e sem risco para o consumidor".

Ainda assim, acrescentou, "foi surpreendente a rapidez na adesão sobretudo na primeira semana", adiantando que, tendo em conta o elevado número de inscrições, é impossível manter o ritmo do primeiro mês.

Após estarem definidos os operadores vencedores por cada tarifário, os consumidores que aderiram à campanha passarão a ter as condições de preço resultantes do leilão que a Deco tem a expetativa de ser mais baixo do que as atuais tarifas oferecidas no mercado livre.

A intenção desta iniciativa é "responder a uma preocupação crescente dos consumidores relativamente aos custos da eletricidade" e "promover um processo transparente e com provas dadas noutros mercados que visa fomentar a concorrência entre os vários fornecedores do mercado liberalizado".

Esta é uma ação "que visa reduzir a despesa mensal com a eletricidade", adiantou a Deco, mas, "para ter o maior sucesso possível, é essencial" que os consumidores façam a a sua adesão, de forma a que "quantos mais formos, maior o nosso poder de negociação junto dos fornecedores e a pressão para que nos proponham a tarifa mais baixa possível".

O leilão está marcado para 2 de maio e será apurado o vencedor com o preço mais baixo nos vários tarifários.

Após a oferta, a partir de 15 de maio a Deco vai comunicar a todos os consumidores que participaram na ação qual o fornecedor vencedor e quanto poderão poupar com o novo contrato, sendo que só mudam se entenderem.

A Deco refere ainda que poderá vir a receber uma comissão por cada contrato assinado pelos consumidores junto do fornecedor que ganhar o leilão.







JN