Um recente revela que os chineses dormem cerca de nove horas por dia, mas que, na maioria dos casos, o sono não é reparador. Ser casado ou solteiro, homem ou mulher são alguns dos fatores que condionam a qualidade do sono.

A conclusão é de um estudo realizado pela Associação Médica da China que apurou, em 20 cidades e outras 40 povoações do país, que "pelo menos metade das pessoas inquiridas disseram-se sentir-se cansadas quando acordam".

Em Pequim, capital da China, mais de 80% dos inquiridos, admitiu que "o stresse lhe afeta o sono", sublinha o jornal "China Daily".

Em Pequim, aquela que foi considerada a terceira pior cidade chinesa para se adormecer, a maioria da população deita-se às 22.15 e acorda por volta das 6.30 horas.

Deitar cedo é uma realidade transversal a todo o país, onde apenas 14% da população se deita depois da meia noite.

Todavia, nos centros urbanos, cerca de 67% da população admite usar o telemóvel ou o computador antes de dormir.

Segundo Han Fang, as perturbações do sono afetam 38% da população chinesa, uma percentagem que supera a média mundial, estimada em 27%.

"O tempo que os chineses passam a dormir não é pouco, mas a qualidade do seu sono é bastante baixa", é a conclusão de um dos promotores do inquérito conduzido em novembro e dezembro de 2012, segundo a mesma fonte.

O inquérito conclui ainda que se dorme "melhor no campo do que nas cidades" e que "as pessoas solteiras dormem melhor do que as casadas e os homens melhor do que as mulheres".








JN