O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, confirmou ter recebido queixas dos jogadores do Santa Clara, pela existência de três meses de salários em atraso.

«Infelizmente é mais uma realidade tornada pública. De facto os jogadores estão a viver momentos dramáticos, têm revelado uma grande compreensão para com o clube mas a verdade é que estão a chegar ao final da época e não se perspetiva nenhuma solução», afirmou Evangelista, em declarações à agência Lusa.

O presidente do sindicato não rejeita uma viagem aos Açores para reunir com o plantel, mas acredita que poderá ser encontrada uma solução pacífica para o problema.

«Acho que ainda há possibilidade de encontrar uma solução consensual. Já transmiti aos jogadores que o Sindicato está disponível para ajudar os casos mais dramáticos imediatamente e também vou transmitir ao presidente da Liga para que ele possa diligenciar junto do clube as melhores soluções», sublinhou.

A falta do financiamento regional, no valor de 1,6 milhões de euros, poderá estar na origem do problema. Porém, e independentemente dos motivos, Evangelista considera que a situação deverá ser resolvida o mais rápido possível.

«É preciso que a direção, por um lado, os patrocinadores e eventuais apoios que estão pendentes sejam regularizados e que evitem um drama maior», assegurou.

A equipa do Santa Clara, 8ª classificada da II Liga, com 58 pontos, encontra-se em Penafiel a preparar o jogo da próxima quarta-feira, frente ao Sp. Braga B, a contar para a 40ª jornada.




m/futeb