CDS admite 'excepcionalmente' taxa sobre pensões

A crise política que parecia estar a avizinhar-se com o braço-de-ferro entre CDS e PSD sobre a taxa de sustentabilidade das pensões parece ter-se dissipado.
Ao SOL, uma fonte de um sector do Governo garantiu que o CDS "aceitou excepcionalmente que pudesse vir a ser considerada a introdução" da taxa para os pensionistas.O CDS dá para já meio passo atrás nesta questão fracturante no seio da maioria, permitindo que o Governo introduza no texto da sétima avaliação a taxa nas pensões, embora com carácter excepcional e facultativo.
Antes estava previsto o Governo comprometer-se a taxar as pensões. Agora a medida fica inscrita no acordo com a troika como só será aplicada em último recurso.
O dia foi de tensão política com o primeiro-ministro a convocar o Conselho de Ministros extraordinário e uma reunião da comissão permanente do partido, depois de ontem ter estado em reuniões separadas com Gaspar, Portas, Mota Soares e Poiares Maduro. Terá sido o desentendimento dentro da coligação que levou aos acontecimentos do dia de hoje.
Vítor Gaspar não esteve presente na reunião do Governo na Gomes Teixeira, pois viajou de manhã para Bruxelas para as reuniões de amanhã do Ecofin e do Eurogrupo.
A Presidência do Conselho de Ministros apenas emitiu um comunicado lacónico no qual explica que o Governo se reuniu “para se inteirar da conclusão dos trabalhos relativos ao 7.º exame regular e confirmar as condições necessárias ao seu fecho, de modo a que o senhor ministro de Estado e das Finanças possa delas dar nota nas reuniões que amanhã se iniciam em Bruxelas, do ECOFIN e do Eurogrupo”.
A reunião terminou às 18h.

Fonte: SOL