1.jpg

A um semestre de concluir a licenciatura, uma estudante norte-americana foi expulsa por ser homossexual, mas pode voltar à universidade se... deixar de ser lésbica.A norte-americana Danielle Powell foi expulsa da universidade que frequentava, no início de 2012, depois de o instituto escolar descobrir que a estudante estaria envolvida numa relação homossexual.

A Grace University, uma universidade cristã conservadora em Omaha, no estado do Nebraska, quer ainda que a sua ex-aluna pague 6 300 dólares (cerca de 4 700 euros), referentes à bolsa escolar que recebeu no início do ano para pagar as propinas, para ser transferida para outra escola ou que deixe de ser lésbica para poder concluir os estudos na universidade.

Segundo o ‘The Daily Dot’, o caso remonta a 2011, altura em que Danielle confidenciou ao seu conselheiro espiritual de faculdade ter iniciado uma relação lésbica. O conselheiro informou então a direção da Grace University, que por sua vez iniciou um processo administrativo para decidir o futuro da sua estudante.

TENTOU VOLTAR AOS ESTUDOS MAS REGRESSOU... LÉSBICA

Powell acabou por ser suspensa, durante aquilo que a universidade denominou como sendo um “período de renovação”, e foi obrigada a assumir-se como homossexual junto da família, algo que ainda não tinha feito.

Na primavera de 2012, quando terminou o “período de renovação”, a estudante procurou ser readmitida na vida académica. No entanto, como Danielle retornou ao campus académica sem qualquer alteração na sua orientação sexual, a administração da Grace University decidiu pela sua expulsão.

Alguns meses depois, quando a jovem tentou a transferência de créditos para outra faculdade, a universidade cristã rejeitou o pedido, exigindo a devolução da bolsa escolar como contrapartida dos resultados académicos obtidos nos últimos três anos e meio.

Entretanto, Danielle Powell casou-se com Michelle Rogers (a proposta de casamento teve lugar durante um concerto de Mackelmore & Ryan Lewis - o vídeo pode ser visto no final desta notícia) e o casal criou uma petição a pedir que a universidade perdoe à sua ex-estudante. Atualmente, esta petição conta já com mais de 55 mil subscrições.


cm