Andar a conduzir em círculos à procura de um lugar vago é o pesadelo de qualquer condutor. Mas a Volvo está finalmente determinada em resolver o problema – lançou uma nova tecnologia de auto estacionamento que põe o carro a fazer todo o trabalho, sem que o motorista tenha sequer de estar no seu interior.

A tecnologia não só encontra um lugar livre, como se dirige a ele e estaciona o automóvel – isto enquanto o dono já está no seu caminho para o supermercado ou para o escritório. Ela também reage de forma segura a outros carros e peões que estejam no parque de estacionamento.

O condutor sai do carro e dá as instruções para que ele encontre um lugar através do smartphone – e ele obedece. No regresso, volta a usar o smartphone para activar o sistema e o carro vai buscá-lo.

O sistema inovador Valet Volvo combina a tecnologia de condução autónoma com sensores e travagem automática para “ver” outros objectos e interagir com eles de forma segura. Se um carro surge de repente no circuito, ele pára e espera que passe – mesmo se detectar um lugar vago nas proximidades.

A Volvo tem como objectivo ser líder mundial na área de condução automática. O sistema vai ser sujeito a testes públicos já na próxima semana e, até ao final de 2014, o novo modelo Volvo XC90 contará já com elementos deste tipo de condução.

Fonte: Greensavers

Obs: na minha modesta opinião, isto parece-me uma utopia.... imagine-se uma cidade como Lisboa: para se encontrar um lugar livre às 11h é preciso um "milagre"! Depois nem todos os lugares livres são passíveis de se estacionar. Teria que existir uma base de dados a ser actualizada todos os dias. Depois nem todos os lugares livres o são... estão sujeitos a pagamento. Teria que ser criado um sistema tipo Via Verde, que já existe em parques. Ora como o concretizar ao ar livre? Imagine-se um carro destes à procura de um local para estacionamento, com este tipo de sistema (Via Verde): o carro está parado ao lado de um local de estacionamento ocupado, mas não avança porque o trânsito está parado... mas tudo tem um começo e ao princípio tudo é utópico.