Os membros do Conselho de Segurança da ONU, reunidos desde quarta-feira em Nova Iorque, querem "clarificar" as acusações da oposição síria de que as tropas governamentais usaram armas químicas num ataque perto de Damasco, afirmou o presidente do órgão.



"Tem de haver clareza sobre o que aconteceu e a situação tem de ser seguida com cuidado", disse Maria Cristina Perceval, a representante argentina e atual presidente em funções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.




As declarações foram feitas depois de o conselho ter reunido à porta fechada, tendo acrescentado que os membros "elogiaram a determinação do secretário-geral para assegurar uma investigação completa e imparcial".
O Conselho de Segurança das Nações Unidas mantinha-se reunido na sexta-feira à noite em Nova Iorque (madrugada de hoje em Portugal) depois de a oposição síria ter acusado as forças do regime de Bashar al-Assad de terem usado armas químicas num ataque perto de Damasco, que, segundo a oposição síria, matou pelo menos 1300 pessoas.
As autoridades sírias desmentiram o recurso a armas químicas nos bombardeamentos.
De acordo com o Governo sírio, estas acusações são "uma tentativa para impedir a comissão de inquérito das Nações Unidas sobre armas químicas de realizar bem a missão".


dn