1.jpg
O amor pela mulher com quem viria a casar fez Modesto Santos, de 42 anos, abandonar o sacerdócio, nove anos depois de ter sido ordenado padre. A vida mudou. Abraçou o grande desafio como pôde, casou, fez-se pai de família, e foi homem de mil ofícios. Agora, convidado pelo PS de Ílhavo, Modesto aceitou candidatar-se à presidência da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré.
Tem como objetivo "criar sentido de comunidade" na terra que o conheceu como padre e onde, agora, vive com a mulher e as três filhas.
Modesto foi ordenado padre em 1996 pela diocese de Aveiro. Licenciado em Teologia, em Coimbra, ex-professor de Moral, iniciou funções como vigário paroquial da Gafanha da Nazaré. "Comecei a achar que teria mais inclinação para o matrimónio do que para a ordem. Queria estar noutra posição em termos de consciência, mas nunca tive problemas com a Igreja", recorda ao JN o ex-padre.
A vida, efetivamente, trocou as voltas a Modesto, quando conheceu Alice Loura, hoje com 42 anos, no dia em que, enquanto padre, batizou a filha mais velha da mulher. "Começou a surgir um dilema interior, entre uma coisa e outra. A vida de padre, em termos afetivos, é muito árida. Se tivermos um modo mais aberto de nos relacionarmos, sentimos essa diferença. E foi o que me aconteceu", explica.


jn