1.jpg
O ministro dos Negócios Estrangeiros sírio, Walid Mouallem, afirmou, esta terça-feira, que, em caso de ataque militar ocidental, o país se vai defender, com meios de defesa que vão surpreender o mundo.
Temos duas opções: a rendição, ou a defesa, com os meios de que dispomos. A segunda alternativa é a melhor", declarou Walid Mouallem, numa conferência de imprensa em Damasco. "Atacar a Síria não é um assunto menor. Temos meios de defesa que vão surpreender", acrescentou.
Em declarações à imprensa, o chefe da diplomacia síria criticou quem quer atacar o país sem apresentar, na sua opinião, a menor prova sobre a alegada existência de armas químicas.
Vários países ocidentais disseram já apoiar uma resposta contra o regime de Bashar al-Assad, em reação ao alegado ataque com armas químicas, a 21 de agosto, nos arredores de Damasco. O porta-voz do primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou que o Reino Unido está a estudar planos para uma possível ação militar.
Walid Mouallem advertiu que um ataque ocidental não irá afetar a campanha militar do Governo contra os rebeldes. "Se pensam impedir assim a vitória das nossas forças armadas, enganam-se", disse.
"Estamos a ouvir os tambores da guerra ao nosso redor. Se querem desencadear uma agressão contra a Síria, penso que utilizar o álibi das armas químicas não é muito exato. Desafio-os a mostrarem provas", declarou.


jn