1.jpg

Quando os elementos dos bombeiros dos Voluntários de Cacilhas arrombaram a porta das águas furtadas de um prédio na Costa da Caparica, depararam-se com um pequeno incêndio na sala e kitchenette. Ao dissipar-se a coluna de fumo, e após ser feita uma segunda revista à casa, os bombeiros deram com o corpo de uma mulher parcialmente carbonizado no sofá.

A PJ esteve no local várias horas e a investigação vai continuar. Aguarda, também, os resultados da autópsia à vítima.

A mulher, com cerca de 55 anos, deu entrada na morgue como desconhecida, já que era impossível reconhecê-la. O corpo estava totalmente queimado da cintura para cima. Encontrava-se sentada no sofá, mas tombada para um lado.

A vítima andava sempre acompanhada de um filho, mas este não se encontrava no imóvel quando se deu a tragédia. Só mais tarde foi localizado pela GNR.

O alerta foi dado às 10h08 de ontem, quando um vizinho viu fumo a sair pelas telhas que cobrem o sótão do prédio de três andares, adaptado para ser uma residência. Três horas antes, os moradores já haviam estranhado o facto de haver água a escorrer nas escadas e fecharam a torneira de segurança.

Os bombeiros de Cacilhas, cujo quartel fica a poucos metros do local, chegaram de imediato e extinguiram as chamas. Seguiu se o macabro achado.

Três inspetores da PJ de Setúbal compareceram ao local, aos quais se juntaram, algum tempo depois, mais dois. Um dos inspetores pertence à brigada de homicídios. Parecia haver dúvidas nos vestígios encontrados no interior das águas furtadas. Abandonaram o local cerca de seis horas após a tragédia. O corpo foi depois transportado à morgue do Hospital Garcia de Orta, em Almada.



cm