José Mota lamentou o erro de Rafael Martins, que entregou a bola a Montero e permitiu ao Sporting abrir o marcador frente ao V. Setúbal, facilitando o triunfo dos leões numa altura em que os sadinos estavam a conseguir travar o ímpeto dos anfitriões.

"Por muito que nos custe, é o que tem acontecido. Normalmente até nos melhores períodos nos acontecem estas situações. Sabíamos que o Sporting estava motivadíssimo e queria impôr o seu jogo. Penso que o encontro estava a correr de feição e o golo, quando surgiu, prejudicou muito em termos psicológicos. Na 2.ª parte fomos obrigados a abrir um pouco as linhas e ser mais arrojados. No fundo, foi um resultado muito injusto, porque a minha equipa foi sempre digna, com os olhos na baliza contrária. Tivemos uma ou outra ocasião e depois foi o avolumar do resultado", analisou o técnico sadino.


lusa