Finanças garantem pagamento de salários e subsídios

O Ministério das Finanças garantiu hoje que o pagamento dos salários e subsídios nos serviços públicos será assegurado em condições "absolutamente normais", disse à agência Lusa uma fonte do gabinete de Maria Luís Albuquerque.
"Serão assegurados os pagamentos de salários e subsídios a todos os trabalhadores em condições normais", disse fonte do Ministério das Finanças à agência Lusa, depois de a imprensa de hoje dar conta de dificuldades nos organismos públicos.
O Diário Económico adianta na sua edição de hoje que os serviços públicos, como institutos e politécnicos, dizem não ter forma de encontrar a verba necessária e avisam que, sem uma cedência das Finanças, o dinheiro não chega para pagar os vencimentos.
Também o Jornal de Negócios noticia hoje que muitos organismos dos Estado estão a adiar o pagamento a fornecedores por não terem dinheiro para repor os subsídios.
De acordo com o Diário Económico, os serviços públicos tiveram de reforçar as verbas para despesas com pessoal em 146 milhões de euros.
Deste valor, o Ministério das Finanças autorizou, segundo o Económico, a desactivação de dinheiro para cobrir uma parte, forçando os organismos a encontrar o resto através de poupanças noutras áreas.
O Jornal de Negócios adianta, por seu lado, que, no caso dos hospitais, com orçamentos mais curtos, muitos administradores têm vindo a adiar pagamentos aos fornecedores.
Os funcionários públicos estão a receber desde o início do ano os subsídios de Natal em duodécimos.
Já o subsídio de férias, que o Tribunal Constitucional obrigou o Governo a repor, passou para o Natal, sendo que uma parte foi paga em Junho (para os funcionários com salários acima de 600 euros).

Fonte: Lusa/SOL