Parlamento Europeu rejeita financiar emprego jovem em Portugal

A comissão de Desenvolvimento Regional do Parlamento Europeu rejeitou hoje uma proposta do eurodeputado Rui Tavares, que pretendia incluir Portugal num conjunto de países beneficiados por fundos contra o desemprego jovem.
A proposta do eurodeputado português foi apresentada por ocasião da discussão, que concluiu pela aprovação, de um texto da Comissão Europeia sobre "dotação financeira do Fundo Social Europeu para certos Estados-membros".
Num comunicado dos serviços do parlamentar português, que integra o grupo Verdes/Aliança Livre Europeia, é pormenorizado que "esta proposta prevê a atribuição de fundos adicionais para acções contra o desemprego única e exclusivamente a três países da UE: França, Itália e Espanha".
A proposta de Tavares, apresentada com a alemã Elisabeth Schroedter, permitiria alargar o apoio a Portugal, bem como aos restantes países sob programa da 'troika', que diz terem sido "excluídos por um acordo feito no seio do Conselho da UE".
O eurodeputado argumentou que "a atribuição exclusiva à França, Espanha e Itália destes fundos adicionais para combater o desemprego é, na realidade, uma forma de os compensar pelo Reino-Unido ter saído beneficiado do acordo sobre o Quadro Financeiro Plurianual da UE".
"Em suma, foi o resultado de um acordo tácito entre governos nacionais que não foi motivado por prioridades sociais e regionais", refere.
Este alegado acordo tácito traduziu-se na exclusão dos países sob programa de assistência financeira destes fundos, pelo que Tavares e Schroedter propuseram a inclusão no grupo de Portugal, com uma verba de 10 milhões de euros, Chipre (800 mil), Grécia (11 milhões) e Irlanda (3,5 milhões).

Fonte: Lusa/SOL