1.jpg

A República Democrática do Congo (RDC) e o Movimento 23 de Março (M23) assinam hoje um acordo de paz em Kampala, no âmbito das negociações que decorreram desde dezembro de 2012 mediadas pelo Uganda.

O M23 anunciou no passado dia 05 o fim da sua rebelião, após ter sido derrotado pelo exército congolês, apoiado por forças das Nações Unidas.



A rebelião do M23 atuava desde maio de 2012 na região do Kivu do Norte e tinha, segundo a ONU e Kinshasa, o apoio do Ruanda e do Uganda, o que estes sempre desmentiram.
O movimento é formado por antigos rebeldes reintegrados no exército no quadro de um acordo de paz assinado em 2009, que se amotinaram por considerarem que este não tinha sido plenamente aplicado.
O porta-voz do governo ugandês, Ofwono Opondo, disse na sexta-feira à agência France Presse, que o acordo de paz deve contemplar o futuro do chefe militar dos rebeldes Sultani Makenga e de cerca de 1.500 dos seus homens que se refugiaram no país.
"O acordo indicará como será tratado cada caso" entre os combatentes do M23, os que "estão sob sanções da ONU e norte-americanas, quem quer ser reintegrado no exército e os que só querem voltar a casa", adiantou Opondo.


dn