Um robot de limpeza Roomba entrou para a história da robótica mundial ao cometer o primeiro suicídio de uma máquina ambulante com processador. Segundo relatos da imprensa austríaca, o pequeno robot, um Roomba 760, ter-se-á sentido deprimido pelo entediante e monótono trabalho de limpeza da casa.

Aparentemente, quando os donos saíram de casa, em Kirchdorf, na Áustria, o rebelde Roomba decidiu acabar com o seu sofrimento. Ligou-se sozinho, rolou para um fogão eléctrico e imobilizou-se em cima de uma placa incandescente, onde se suicidou por imolação.

O proprietário do iRobot, Gernot Hackl, garante ter deixado o aparelho desligado antes de sair de casa: “quando saímos (Gernot, mulher e filho) de casa ele estava desligado. Ligou-se sozinho e afastou uma panela que estava ao lume, e pronto, foi assim“.

Segundo Gernot, a última tarefa do Roomba 760 foi limpar os cereais da mesa do pequeno almoço.

O iRobot incendiou-se e fundiu-se na placa eléctrica, provocando fumo intenso que obrigou à chamada dos bombeiros e evacuação do edifício.

A família Hackl está agora desalojada, uma vez que os estragos causados pelo fumo tornaram a casa inabitável. Gernot, de 44 anos, já revelou que tenciona processar o fabricante do robot por danos ‘morais e materiais’. “Está tudo negro, é impossível viver nesta casa, comprámo-lo para manter a casa limpa e não para a arruinar“, declarou.

As razões da misteriosa atitude do iRobot são desconhecidas. E há até quem especule que este poderá não ter sido um suicídio, mas tratar-se na realidade do primeiro caso de robocídio da história.

Presume-se que o pequeno Roomba esteja agora no Céu dos Robots, debaixo do olhar protector do pai Isaac Asimov – apesar de ter alegadamente violado a sua terceira Lei.

Fonte: Zap

obs: tu que estás a ler esta notícia tens duas opções: ou choras a "morte" do pobre robot, ou ris da possibilidade de alguém ter admitido que existiu, efectivamente, um acto de "robocídio" (esta palavra não deve existir, por enquanto...)! Eu optei por rir.