O Secretário de Estado da Administração Pública, Hélder Rosalino, declarou que o corte salarial na Função Pública proposto pelo Governo para o próximo ano, a partir dos 675 euros, é mais justo e equitativo do que o valor apresentado nos tempos de Sócrates, desde os 1.500 euros, noticia o Jornal de Negócios.

Para Hélder Rosalino, a redução dos salários na Função Pública a partir dos 675 euros, trata-se de “uma medida mais justa e equitativa do que a medida que vigorava desde 2011”, que “libertava mais de 50% dos funcionários públicos”.


lusa