A receita fiscal do Estado cresceu 18,5% em Outubro, relativamente ao mesmo período do ano passado, divulgou esta sexta-feira a Direcção-Geral do Orçamento (DGO) através de uma nota enviada às redacções. De acordo com o mesmo comunicado, “a execução orçamental mantém-se em linha com os objectivos orçamentais definidos para o corrente ano”.




“A receita fiscal do Estado, no mês de Outubro, apresentou o crescimento mais expressivo do ano com uma variação homóloga de 18,5%”, lê-se num comunicado da Direcção-Geral do Orçamento (DGO).

Este acréscimo “resulta da recuperação de todos os impostos, quer directos quer indirectos, em particular do IRS (crescimento de 29,9%), do IRC (crescimento de 9,3%) e do IVA (crescimento de 0,4%)”, de acordo com a mesma nota.

Além disso, destaca-se também o esforço feito pelo Governo para uma “melhoria da actividade económica, bem como uma maior eficácia no combate à fraude, evasão fiscal e à economia paralela”. Contudo, não se contabilizou “qualquer receita fiscal resultante do regime excepcional de regularização de dívidas fiscais e à Segurança Social, que apenas entrou em vigor no dia 1 de Novembro”.

Já no que toca ao défice provisório das Administrações Públicas, houve uma quebra na ordem dos 1.659 milhões de euros, já que o montante acumulado verificado em Outubro foi de 6.409,1 milhões, contra 8.068,5 milhões do ano passado.

Os dados, divulgados esta sexta-feira, dão conta da evolução das contas do Executivo, entre Janeiro a Outubro, comparativamente com os mesmos meses de 2012. Segundo a análise da DGO, “a execução orçamental mantém em linha com os objectivos orçamentais definidos para o corrente ano”.

Fonte: NM