Um estudante de 16 anos vai responder perante um coletivo de juízes das Varas Criminais de Lisboa, por, alegadamente, ter roubado pizzas quando o funcionário lhe foi entregar a encomenda realizada online, no valor de 31.50 euros.

"Esta situação é ridícula. Além de o arguido não ter antecedentes criminais, não houve recurso à violência nem o uso de nenhum tipo de arma. Em tempos de contenção de custos na justiça, para julgar um jovem de 16 anos que, alegadamente, se apoderou de umas pizzas serão necessários, pelo menos, três juízes, um procurador, um advogado e um oficial de justiça", lamentou, à agência Lusa, Vítor Parente Ribeiro, advogado de defesa.
O arguido está acusado pelo Ministério Público (MP) de um crime de roubo, punível até oito anos de prisão, razão pela qual é julgado por um coletivo de juízes. O início do julgamento do jovem, que se encontra sujeito à medida de coação de termo de identidade e residência, está agendado para as 9.30 horas de quarta-feira na 3.ª Vara Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.
Segundo o despacho de acusação do MP, citado pela agência Lusa, cerca das 17.30 horas de 27 de março deste ano, o arguido, juntamente com outro suspeito - cuja identidade não foi possível apurar -, encomendaram, a partir da zona do Beato, em Lisboa, "duas pizzas médias, uma pizza infantil, bebidas, gelados, gelatinas e asas de frango, num total de 31.50 euros, à Telepizza".
O MP do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DIAP) sustenta que os dois suspeitos tinham o "propósito de se apoderarem da comida encomendada, sem pagar".
Assim que o funcionário chegou ao local da entrega do pedido, o rapaz - que a investigação não apurou quem era - desceu a correr e disse: "Para a moto e dá cá as pizzas", enquanto o arguido se posicionou atrás do motociclo, impedindo que arrancasse", frisa a acusação.


jn