Portugal bateu recorde de energia renovável em 2013


Portugal atingiu um nível recorde, no último ano, no que concerne à produção de electricidade a partir de fontes de energia renovável. Cerca de 58,3% do total da electricidade consumida em 2013 foi produzida a partir de fontes renováveis, o que representa um aumento de 20% em relação a 2012.

Se for apenas considerada a produção nacional, a contribuição das renováveis aumenta para 61,7%. Face a este aumento da produção de energia renovável no ano transacto foi possível reduzir a quota de electricidade importada em cerca de 2,8 vezes, de acordo com a Quercus, o que se traduz num decréscimo de 10% do total de electricidade consumida.

A diferença entre os valores dos últimos dois anos é explicada pelas condições meteorológicas. Segundo a Quercus, 2012 foi um ano muito seco, 58% abaixo da média. Contrariamente, 2013 foi um ano húmido, 17% acima da média. Assim, a produção de energia renovável a partir de recursos hídricos, com recurso às barragens mais que duplicou no último ano.

Também a percentagem de energia produzida a partir de centrais eólicas aumentou em 2013, quase 20%. No que concerne à energia fotovoltaica, o aumento da capacidade instalada no país permitiu um aumento de 25% face ao período homólogo. No entanto, a electricidade gerada a partir da energia solar ainda não contabiliza 1% da totalidade da electricidade consumida, “o que revela um enorme potencial de crescimento”, refere a Quercus num comunicado em conjunto com a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (Apren).

“2013 foi um ano em que se demonstrou a vantagem de Portugal ter apostado nos seus recursos naturais para produzir electricidade pois, além de se terem evitado importações de combustíveis fósseis e emissões de gases com efeito de estufa, o facto de 60% da electricidade consumida ser de origem renovável possibilitou estabilizar o preço deste bem, o que também é importante para ajudar Portugal a sair da crise”, afirma o presidente da direcção da Apren, António Sá da Costa.

Aposta nas renováveis permitiu poupar €846 milhões

De acordo com as duas associações a produção de electricidade de origem renovável permitiu poupar quase €850 milhões (R$2.731,4 mil milhões) em 2013: €806 milhões na importação de combustíveis fósseis (gás natural e carvão) e €40 milhões em licenças de emissão de dióxido de carbono. No total, a poupança ascendeu a €846 milhões.

“As emissões associadas à +produção de energia eléctrica somaram 13 milhões de toneladas de CO2 em 2013, cerca de 20% do total de emissões de gases de efeito de estufa actuais de Portugal”, indicam a Quercus e a Apren. Porém, entre 2012 e 2013 verificou-se uma redução nas emissões de CO2 de cerca de 2,3 milhões de toneladas, refere o comunicado. Deste valor, um milhão de toneladas deve-se à redução do recurso às centrais de carvão.

Para o coordenador do grupo de energia e alterações climáticas da Quercus é necessário “continuar a apostar nas energias renováveis e na eficiência energética permitindo a recuperação da economia sem onerar o ambiente”. “Para tal é preciso um investimento na sensibilização e um planeamento adequado do sector energético também em prol de uma desejável política climática exigente”.


Foto: Glances of mine / Creative Commons
Greensavers